sábado, junho 24, 2006

Protocolizemos

Protocolizemos, portanto, mais uma bocadinho, visto que é verão e o país não tem muito que fazer. (Eu tenho, mas fica o presente poste por conta do intervalo.) O meu amigo (e do povo) João Almeida não percebe a importância destas guerras do protocolo. Somos dois. Mas não fui eu que interpelei o parlamento. Mas não fui eu que legislei sobre o assunto. Limitei-me a fazer umas piadas. (Arriscando-me, assim, a avaliar por este comentário, à ira de quem parece querer ser o monopolista das piadas políticas em português).
Apesar de tudo o João decidiu dar umas achegas a esta discussão que considera inútil. E concordo que a falar-se seriamente sobre o assunto há que situar a questão historicamente. A tradição é o fundamental em questões de protocolo. Mas misturas, João, alhos e bugalhos. O Cardeal Patriarca não é, nem nunca foi, Chefe de Estado. Que o Estado fosse mais ou menos regalista é irrelevante. No protocolo do Antigo Regime acima do Rei estava, não o Cardeal Patriarca, mas o Santíssimo Sacramento. (E, caso não tenhas reparado João, quando qualquer chefe de Estado vai à missa, ainda está.)
O que é (um bocadinho) relevante, aqui e agora, é que parece haver um grupinho de anti-católicos militantes que quer transformar os poucos direitos e deferências que a Igreja Católica tem em Portugal, e que se destoam na Europa é pela sua escassez, em supostos privilégios. Evidentemente não consigo levar os "argumentos" ou a "ameaça" a sério. Mas pode ser que seja forçado a mudar de ideias. Veremos as cenas dos próximos episódios.

Historicamente os Cardeais têm protocolarmente o estatuto de príncipes de sangue. Sendo o equivalente moderno na maioria dos países civilizados - i.e. excluindo a China, Coreia do Norte, Vietname, etc. onde o lugar protocolar dos cardeais e outros prelados tem sido frequentemente a cadeia - a posição de Ministro de Estado ou Primeiro-Ministro, com precedência sobre toda a gente excepto os Chefes de Estado ou, eventualmente, Presidentes do Parlamento e Chefes de Governo. Esta tradição tem origem no facto de os Cardeais serem os Senadores do Papado, e este ter estado presente na Criação, não do Universo, mas do sistema diplomático moderno. E quem quiser razões mais concretas e presentes não terá dificulade em encontrá-las no facto da Igreja Católica ser a instituição mais global e mais numerosa e mais praticante de um Mundo em crise de convicções e de afiliações.

Mas sobretudo e em todo o lado o protocolo baseia-se na tradição. É por isso, por exemplo, que o Presidente laico da República laica Francesa é Cónego de São João de Latrão, como antes dele o eram os Reis de França. (Que é como quem diz, a ignorância francófila dos nossos jacobinos é muito afoita). A razão de ser da tradição protocolar é que a razão pode ser um bocadinho indelicada. O João, como o Daniel Oliveira, preferem ignorar a minha piada sobre a "Primeira Dama". Mas é uma piada séria. Qual é a razão de ser, política e democrática, do papel protocolar dos esposos dos governantes? Absolutamente nenhum. Ninguém os elegeu. É uma questão de tradição e antiquada cortesia. (Que é como quem diz: se esta preocupação com o protocolo não é mais uma face de um anti-catolicismo primário, se é mesmo uma questão de razão e representatividade, então acabe-se com as cortesias de Estado para os esposos.)

Onde pisas terreno perigoso, João, é quando pareces argumentar que se deveria aceitar os preconceitos anti-católicos da parte de não-católicos. Suponho que se um Presidente não-católico ficar ofendido pelo privilégio que é o número desmesurado de Igrejas Católicas em Portugal então devemos começar a demoli-las. É a transformação da necessidade de respeitar os direitas das minorias no império dos preconceitos das minorias.

4 Comments:

Blogger Luís Aguiar Santos disse...

Eu limito-me a discordar num ponto: havendo Estado e sendo os seres humanos animais que se relacionam com a realidade através dos símbolos, as questões protocolares e simbólicas SÃO questões políticas importantes.

6:24 da tarde  
Blogger João Miguel Almeida disse...

Caro Luís e Bruno,

De regresso ao blogue após uma rápida visita à namorada que anda a investigar no país monárquico nosso vizinho...retomo a questão onde a deixei. Eu não acho que se devam aceitar os preconceitos anti-católicos apenas usei uma «imaginação satânica», no tom do post, para colocar em evidência os traços históricos de regalismo existentes no protocolo de Estado. Essa ligação protocolar entre Estado e Igreja não foi apenas contestada por jacobinos, mas também por opositores católicos ao Estado Novo, mais ou menos radicais, para os quais o Protocolo representava uma aliança entre o regime e a Igreja Católica que eles recusavam.
Pelo que eu entendi do projecto do PS, está previsto que as autoridades religiosas possam ser convidadas para uma espécie de «bancada da sociedade civil» pelos organizadores das cerimónias oficiais. Assim o Bispo de Setúbal terá a sua oportunidade de aparecer em algumas cerimónias...
Quanto à história das primeiras Damas, não consigo elaborar sobre o assunto. O Protocolo não é mesmo a minha especialidade. Mas não penso que a tradição existente seja intocável. Parece que o Procolo criou alguns problemas, por exemplo, a Snu Abecasis quando ela era mulher «de facto» de Sá Carneiro...

10:42 da manhã  
Blogger João Miguel Almeida disse...

Eu não escrevi que o Cardeal Patriarca fosse um Chefe de Estado. O Papa é que é também o Chefe de um pequeno Estado, o Vaticano. Estado que se faz representar pelos núncios os quais, como diplomatas que são, têm sempre lugar no Protocolo de Estado.

12:09 da tarde  
Blogger bruno cardoso reis disse...

Joao, eu sei que nao escreves-te isso. Mas a forma como explicas o lugar "subordinado" de SER Cardeal Patriarca e o seu significado, para mim, nao faz sentido precisamente porque ele nao pode ser tratado protocolarmente como chefe de Estado nao o sendo.

Tudo e politica, caro Luis, e provavelmente os simbolos mais do que muitas outras coisas. La isso e verdade.

2:14 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home