quarta-feira, setembro 06, 2006

Ilações sobre uma cabeçada3

A cabeçada de Zidane junta, num só movimento, a ética e a estética. Muitas eram as opções de retaliação aconselhadas pela manha: a cotovelada; o pé que pisa, com aparente negligência, o tornozelo ou a barriga da perna; a intriga posterior. Zidane escolheu o afrontamento à luz do dia e das câmaras. Num só gesto, nunca desmentido, arriscou a fama e a glória, para defender a família de banais insultos. Maradona entra para a lenda associado à «mão de Deus». Zidane ficará para a História como membro ilustre de uma espécie em vias de extinção, a dos românticos.

2 Comments:

Blogger Fernando Martins disse...

Estupenda triologia!

11:37 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Bullshit. Zidane será recordado como o troglodita sociopata que é. Se Materazzi estivesse em pior forma física o golpo podia ter sido letal; tal como anteriormente ZZ tinha pisado um adversário já caído que foi parar ao hospital e poderia ter visto ali o fim da sua carreira. A glorificação em curso deste gesto é um ponto alto da estupidez mediática em que andamos embriagados. Foi um gesto estúpido, inútil, cobarde (nas costas do árbitro, com cálculo) e injustificável. Coroou um desprezo olímpico pela equipa, pela final e pelo campeonato (já para não falar no fair-play e outras demagogias descartáveis da Fifa).

CC

12:22 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home