domingo, março 23, 2008

Crise de valores (I)

Não tencionava escrever sobre isto, nada de inédito se passou, nem este blog é dado a polémicas fáceis. Fui desencaminhado pelo António Manuel Venda. A conversa de Rousseau (versão Filomena Mónica) anuncia a lengalenga da crise de valores, velho tropo vácuo e falso em todos os tempos. Daí o título do post.
O problema da turma 9º C do Carolina Michaelis é antigo (cf. Platão, Górgias); não é «de classe», nem permite supor que aquela não possa até ser a melhor turma de Francês. Quem dá aulas sabe como mesmo os bons alunos têm maus hábitos. O aproveitamento pela oposição ao governo do «estatuto do aluno» é óbvio mas irrelevante (antes dele, e agora, não havia já a possibilidade de expulsão, sem reinscrição durante o ano, para aluna e «realizador», nem o «chumbo» automático na disciplina para todos os restantes); o problema nem é novo na sua forma actual, os dados estatísticos indicam que isto acontece todos os dias (hipocritamente, os professores «como classe», note-se, não como profissão, dizem em público adorar os seus alunos e, em privado, só se queixam deles, queixas acompanhadas de casos de depressão na profissão numerosos). E de resto a cultura «juvenil», à força de ser pedopsiquiatricamente compreendida (tratando o óbvio e elementar como se fosse caso «especial» e de compreensão particular, gerando ambiguidade e duplicidade irrestritas), tornou-se mainstream (como a pornografia) e exibe-se onde antes se esforçava por ser remota do mundo «adulto» (dos pregões no Blitz passou-se ao Youtube).
O problema surge da auto-desautorização dos adultos (em casa será muito diferente, mesmo? Os filhos dos professores não são mais bem comportados que os restantes…) e da desresponsabilização dos comportamentos dos adultos. Como comentei há semanas em conversa com Miguel Real (autor, e professor de Filosofia no Secundário), as manif’s de professores convocadas por SMS com ameaças a ministros e membros do PS, insultos e espalhafato na TV contra a ministra, e a grotesca «semana de luto» só podiam diminuir os professores aos olhos dos adolescentes que os viam em cenas completamente rascas e demagógicas. Quando a «autoridade» se comporta irresponsavelmente, como esperar que o normal, i. e., a disciplina na sala, seja sequer considerada pelos alunos? Não o fazem e fazem gala em não o fazer. Isto não é substantivamente diferente de quem não desliga os télelés nos cinemas, e de professores que também não o fazem na sala de aula, ou dos deputados que os deixam ligados para servirem de «fontes» dos trabalhos em comissão parlamentar a jornais sem escrúpulos. Para cúmulo do simbolismo, neste caso reapareceu o ilustre Prof. Charrua a servir de fonte para os jornais. Ainda há pouco tempo houve quem falasse de «censura» quando no Minho não gostaram que um professor tivesse um blog obsceno, agora admirem-se que os meninos tratem os «profs» por «tu»… Não é uma crise de valores, é realmente uma grande coerência de comportamentos sociais e vem de longe, adquirindo agora, sobretudo pela conjuntura política, uma visibilidade apenas um pouco maior.
A minha experiência como docente (do ensino superior) é essa: pastores luteranos quarentões a atenderem telefonemas na aula; jovens a fazê-lo também (mas, depois de mandado embora, procurou-me para se desculpar, como um adulto – que era, apesar de jovem). A vulgaridade não muda por haver expulsões da sala.
No dia em que «a cena» foi conhecida, professores de uma escola (salvo erro em Coimbra) votaram por suspender a avaliação docente…esperem até os alunos saberem.

PS- Para o próxima passo das formas inferiores de luta, já em curso, ver Rui Bebiano em A Terceira Noite (mas professores showmen vs professores distantes é equívoco; só há aulas com professores e alunos, e em Portugal estes querem ser passivos e os professores por regra querem que eles assim sejam, Bolonha reduz-se a maquilhagem).

Etiquetas: , ,

2 Comments:

Blogger Ana Almeida disse...

Carlos,

De acordo com o seu texto (se o entendi bem) o núcleo do problema parece residir na auto-desautorização e na desresponsabilização dos comportamentos dos adultos, mas por outro lado diz que não se trata de uma crise de valores, mas uma grande coerência de comportamentos sociais. Parece-me que poderei inferir do seu post que os comportamentos sociais actuais são pautados pela desresponsabilização e que isso não constitui “crise de valores” mas um valor em si.
De facto, parece-me que existe um esbatimento das fronteiras que anteriormente separavam os adultos dos adolescentes e esse esbatimento é talvez mais da responsabilidade dos adultos do que dos adolescentes. Este “novo valor”, a desresponsabilização talvez esteja enraizado numa cultura do individualismo que é transversal aos diferentes grupos etários e que se revela em diferentes contextos e com variadas formas de expressão.
Por deformação profissional (sou psicóloga), uma das questões que acho pertinente a colocar neste episódio (e que o Carlos não aborda) é sobre a importância dos telemóveis para os adolescentes e não só. Qual é o significado do telemóvel? A mim parece-me que o telemóvel não é um objecto qualquer. Acho que está revestido de um simbolismo muito particular. Não é há toa que muitos adultos comentam com irritação a maneira como os adolescentes estão sempre agarrados ao telemóvel (e a bem da verdade tb muitos adultos). Acho que o telemóvel funciona para muitas pessoas como uma extensão do próprio Eu, representa num certo sentido, a individualidade. Talvez os adolescentes aprendam que a defesa do individualismo justifica a insubordinação.
Concordo em pleno com a parte dos pedopsiquiatras e acho que é extensível a outros “psis”.

1:40 da tarde  
Blogger CLeone disse...

Obrigado, é bom ser lido com atenção.
Sim, cho que a desreonsabilziação é coisa com longa tradição em Portugal (não do pós 25 de Abril, nem sequer do Dr Salazzar) e que por isso a conversa da crise de valores é simples conversa vazia a fingir solenidade.
Sobre os tlmvs: de acordo, são substitutos de uma individualidade, tanto para miúdos como para os adultos. Com upgrades, capas de diferentes cores, status associado, enfim, tudo o que numa personalidade requer trabalho ali posto à disposição do dinheiro (ou crédito, à falta de dinheiro).
Entretanto, não sei se sabe, já há associações de jovens estudantes a falar d epides e informadores referindo-se aos seguranças das escolas...se tivessem mais referências culturais, talvez falassem em gorilas, quem sabe? COmo se vê, a irresponsabilidade dos adultos (políticos, do PCP e do PSD, sobretudo) faz escola. AO pé disto, os psis até nem são muito maus (salvo o Eduardo Sá, que não devia existir).
Já a gente de ciÊncias da educação... veja «a frase» de hoje no site do Público!

1:49 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home