sexta-feira, janeiro 19, 2007

A Besta Negra

Depois de (aparentemente?) titubearem e muito (sinceramente?) pedirem publicamente desculpas após o atentado da ETA em Barajas, Zapatero, o PSOE e o Governo espanhol retomam fôlego e, com uma preciosa ajuda do Partido Nacionalista Vasco e de Ibarretxe (já para não falar nas condições impostas pelo PNV), voltam a insistir na necessidade de diálogo com a ETA para resolver a questão do terrorismo em Espanha e de outras que lhe estão ligadas. Sobre isto pouco ou nada há a dizer por agora. Talvez apenas que com tanta vontade de dialogar com a ETA e de o fazer a qualquer preço, esta opção política estará absolutamente inviabilizada quando vier a revelar-se realmente necessária, para não dizer imprescindível.
Mas para já, e de sublinhar, é o facto de que para o PSOE, e para a generalidade dos partidos políticos espanhóis, na política no país vizinho o Partido Popular (e a direita?) se ter transformado na verdadeira e única BESTA NEGRA. Está portanto posta em marcha uma estratégia que deseja marginalizar um partido naturalmente importante por aquilo que representa (e representará mais ainda) em número de votos mas, também, ideológica, social e politicamente em Espanha. Daí que seja evidente que para a generalidade dos partidos políticos espanhóis os seus objectivos e a sua estratégia passem, nesta altura, por liquidar a existência do Partido Popular (e não da ETA) ou, no mínimo, impor uma alteração substancial da natureza do Partido Popular (e não a da ETA). Em resumo, na questão do terrorismo, como na discussão em torno daquela que deve ser a nova estrutura do Estado espanhol, quem não pensar e agir como o PSOE e os seus “fellow travelers” tem que ficar com a coluna partida. Ou, pondo as coisas mais cruamente, os pesadelos quotidianos de Zapatero na Moncloa não têm a ETA como protagonista mas o Partido Popular. Partido Popular que Zapatero e muitos dos seus correligionários sempre viram e continuarão a ver como herdeira e continuadora do franquismo e, portanto, como a maior ameaça à Espanha e aos espanhóis e aquilo que interpretam como sendo a Democracia.

7 Comments:

Anonymous Anónimo disse...

E enquanto os dois grandes partidos se divertem com discussoes que pouco interessam aos cidadaos (ver post):


Corrupción
El alcalde y el concejal de Urbanismo de Alhaurín el Grande comparecerán ante el juez por presunto cohecho y prevaricación

http://www.lavanguardia.es/gen/20070119/51301789242/noticias/el-alcalde-y-el-concejal-de-urbanismo-de-alhaurin-el-grande-compareceran-ante-el-juez-por-presunto-cohecho-y-prevaricacion-malaga-pp-costa-sol.html


E este foi preso depois de almoçar com o Sr Rajoy. Ajuda à digestao. Nao esquecer que as eleiçoes municipais estao a chegar. Se os dois grandes partidos se preocupassem a desmascarar os corruptos um do outro este país ficava muito mais limpo.

Sobre o post só um breve comentário em relaçao a esta frase: "como na discussão em torno daquela que deve ser a nova estrutura do Estado espanhol". Nao entendo muito bem o que quer dizer, mas nao esqueça que todos os novos estatutos, menos o da Catalunya, foram aprovados com o apoio do PP. Além disso é muito curioso que os das Illes Balears e o da Generalitat Valenciana sao praticamente um copy-paste do da Catalunya. Para nao falar que a Andalucia é uma realidade nacional graças ao PP. Coisas da política. Conclusao: parece-me que o PP está bastante de acordo com a nova estrutura do estado. Nao é verdade?

PS: também nao entendo porque chama aos novos estatutos "nova estrutura". Infelizmente estamos muito longe disso mas continuamos a rezar e a trabalhar para que esse dia chegue.

12:19 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

La actitud del PP sobre el terrorismo le pasa factura electoral

http://www.elpais.com/articulo/espana/actitud/PP/terrorismo/le/pasa/factura/electoral/elpepuesp/20070119elpepunac_4/Tes



Cuidado como pensas... e nao o digas muito alto senao podes acabar preso. Este país cada dia está mais perigoso. Depois dos democratas anti-liberais, PP e PSOE, ilegalizarem EH, Batasuna, etc, agora querem seguir o mesmo caminho com EHAK. Hoje isto:

Euskadi
El Supremo declara que Jarrai, Haika y Segi son organizaciones terroristas

http://www.lavanguardia.es/gen/20070119/51301795253/noticias/el-supremo-declara-que-jarrai-haika-y-segi-son-organizaciones-terroristas-audiencia-nacional-ts-tribunal-supremo-terrorismo-victimas-madrid-avt.html


No principio do ano isto:

La Fiscalía se querella contra «Deia» y «Gara» por injurias graves al Rey

http://www.abc.es/20070105/nacional-nacional/fiscalia-querella-contra-deia_200701050243.html


Para já nao falar do fecho do jornal Egunkaria.


Sobre proibir ideias que incomodam aconselho a leitura deste artigo:

A blanket ban on Holocaust denial would be a serious mistake

http://www.guardian.co.uk/commentisfree/story/0,,1992760,00.html

1:06 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Mas como é quase fim de semana falemos de coisas mais interessantes, o filme de Miguelanxo Prado (http://deprofundisblog.com/):

De Profundis
Unha casa no medio do mar está ateigada de obxectos relacionados co mar e a navegación, e planos e deseños dun barco soñado por un pintor. A muller que o ama toca o violoncello na terraza fronte ao mar. A música convoca un fato de grandes cetáceos que se aproximan á casa. No entanto, o pintor vai de mariñeiro nun pesqueiro. Cando se desencadea unha treboada e unha onda xigantesca afunde a embarcación, a muller, na soidade da casa, intúe e presaxia a traxedia... Primeira longametraxe de animación dirixida por Miguelanxo Prado, primeira longa animada de Continental.

http://www.culturagalega.org/avg/produccion.php?Cod_prdccn=583&busca=De%20Profundis


Cine de libertad y melancolía
Miguelanxo Prado, leyenda del cómic, estrena 'De profundis', insólito filme "hecho a mano"
MANUEL RIVAS 19/01/2007

http://www.elpais.com/articulo/cine/Cine/libertad/melancolia/elpepucul/20070119elpepicin_1/Tes


Miguelanxo Prado
Creador de «De Profundis» y dibujante
Viernes, 19 de enero, a las 10.30
El dibujante gallego Miguelanxo Prado acaba de estrenar su primer largometraje de animación. La película, llamada «De Profundis» es, en sus palabras, «especial, arriesgada, poética, innovadora y muy personal». El filme, que no tiene diálogos, es candidato al Goya a la mejor película de animación y, previsiblemente, se exhibirá en la Berlinale.

http://www.lavozdegalicia.es/charlas/encuentro.jsp?ID=1169137478179


Bom fim de semana.

1:49 da tarde  
Blogger Fernando Martins disse...

Quando me refiro à nova estrutura do Estado espanhol estou a pensar naquela que a ETA e o Batasuna exigem e que muitos sectores nacionalistas não-bascos também reclamam. Uma estrutura que nascerá de uma revisão radical da Constituição e que tornará a estrutura do Estado espanhol numa coisa muito diferente daquilo que é e que tem sido nos últimos. Agradeço as sugestões cinéfilas - que só poderei tentar ver lá para finais de Fevereiro em Santiago de Compostela - mas tenho pena que não tenham sido comentadas outras passagens do meu texto.
Quanto à corrupção em Espanha nada a dizer. É comparável à portuguesa, à italiana e à francesa, sendo muito positivo que pelo menos alguns dos corruptos sejam investigados, julgados e condenados.

2:02 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

A minha opiniao geral sobre o tema é a mesma que expressou o líder do grupo parlamentário de CiU, Josep Duran Lleida, na passada Segunda no Congresso:

http://www.ciu.info/media/11619.pdf

http://www.ciu.info/fitxa_noticies.php?news_ID=8041

Foi sem dúvida o melhor discurso do dia.


Em relaçao ao artigo de opiniao, porque de jornalismo de informaçao tem pouco, do ABC só um par de coisas. A reuniao nao foi secreta, caso contrário nao estavam as câmaras de televisao a filmar a chegada do lendakari à Moncloa. Nao há nada que prove que estao criadas as bases para um novo processo de diálogo com os terroristas. Isso é pura especulaçao. Nao acredito que haja um novo processo de diálogo com os terroristas neste legislatura. O que pessoalmente gostava de ver era que deixassem a Batasuna participar nas eleiçoes municipais (pelo menos espero que a ideia de ilegalizar a EHAK nao prospere).

Nao podemos esquecer que em Espanha governa-se de duas formas: com maioria absoluta ou tendo como sócios CiU e/ou o PNV. Com certeza que recorda quem eram os sócios do governo minoritário do Sr Aznar (que até dizia que falava catalao na intimidade). O PP neste momento está a apostar por uma estratégia muito arriscada, que pessoalmente me parece que nao agrada aos eleitores que realmente decidem as eleiçoes. A verdade é que esses estao cada dia mais fartos tanto do PP como do PSOE. Seguramente as coisas mudem quando se aproximem as eleiçoes.

Essa ideia de marginalizaçao do PP parece-me bastante absurda. O que o PP nao pode fazer é querer ir para uma reuniao de partidos com condiçoes prévias. Isso sim é anormal. Também sabemos todos que o Pacto Anti-terrorista tem de ser adequado às condiçoes actuais. Já nao estamos nos dias do PNV do Acuerdo de Lizarra/Pacto de Estella e por muito que lhes custe o PNV é fundamental para terminar o terrorismo em Euskadi.

"Uma estrutura que nascerá de uma revisão radical da Constituição e que tornará a estrutura do Estado espanhol numa coisa muito diferente daquilo que é e que tem sido nos últimos."
Como sabe para a constituiçao ser revista é necessário um acordo entre os dois grande partidos. Uma pena e um problema para os queremos uma estrutura muito, mas muito, diferente da que existe.

4:16 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Recorda-me um amigo galego que quando o Sr Rajoy era membro do governo da Xunta em 1993, o seu partido levou ao parlamento galego uma modificaçao do regulamento que impedia o direito a réplica por parte da oposiçao. Pois... Mas já sabemos que a memória nao é o ponto forte do Sr Rajoy.

4:27 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Nem tudo é negro mas tão pouco tudo é branco. Também deverias ter falado da maneira abominável que esta direcção do PP tem de fazer política, utilizando manifestações e associações de vítimas do terrorismo como palco de campanha política partidaria, verborreia ofensiva no parlamento, etc, etc. Esta forma de estar na política, que o PP actual herdou do Aznar dos tempos de sua oposição a Gonzalez em forma ainda mais degradada, termina por colocar em dúvida mesmo os momentos em que o conteudo existe no seu discurso. Do estado actual da politica espanhola e do ostracismo do PP de Rajoy a grosseria das formas do proprio PP é um dos principais culpados. Poderiamos entender e até concordar que o PP espanhol expressasse as suas dúvidas sobre o processo de paz com ETA mas a sua oposição surda e insultos sistematicos ao governo termina por retirar qualquer dignidade de sua postura politica. Talvez o principal mal de que enferma o estado actual da politica espanhola não seja mais que a sombra ainda existente de Aznar sobre a mesma. Quando a direcção popular mude definitivamente já verás como tudo o resto também se acalmará e quem sabe o PP até ganhe umas eleiçoes centrais. Um óptimo exmplo disso é a situação de Piqué em Catalunha, onde todas as pontes de um entendimento com CiU para formação de poder tal como ja se fez um dia foram queimadas desde Madrid na deriva espanholista desta direcção actual. Até lá, até a chegada de Gallardon, Piqué (nao existem muitos mais é certo...) este PP estará cada vez mais ostracizado, mas também é certo que será esta ostracização que obrigará a mudança.

1:04 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home