domingo, dezembro 09, 2007

Almanaque do Povo

Business as usual?: É curioso verificar que nos países mais ricos a relação entre quadra natalícia e transacção de tudo o que é bugiganga tem vindo a ser crescentemente posta em causa. Ainda há pouco, via Atlântico, dei com mais um site anti-compras-de-natal, neste caso promovido por um grupo de canadianos anabaptistas. Tal ideia não é, nesses países, de agora, e tem estado predominantemente associada ao humanismo céptico [veja-se, a título de contexto, esta crítica ao conhecido livro de Tom Flynn]. Por cá, afirmo-o do alto da minha sociologia de comboio, a crise que ataca muitos lares e tem levado a um considerável corte nas despesas da época anda já a ser verbalizada como posição de princípio contra o desperdício, o materialismo e a poluição. Nos anos noventa, pelas vacas gordas, no comboio escutavam-se pais que discutiam leasings de carros a dar aos filhinhos. Por que será que somos tão oito ou oitenta?

Regressos: para os mais distraídos, voltaram recentemente ao blogo-convívio a Susana Bês, no Lida Insana, e o Miguel Silva (sim, do Tempo dos Assassinos), agora no Bios Politikos. Ainda bem.

Divulgação: A segunda edição do ciclo de colóquios 2007-2008 organizado pelo Centro de Reflexão Cristã terá lugar na próxima terça-feira, dia 11 de Dezembro, como de costume pelas 18:30, no auditório do Centro Nacional de Cultura. Este colóquio tem por mote "Jesus de Nazaré segundo Ratzinger / Bento XVI". Nele confrontarão perspectivas sobre a mais recente obra do actual Papa o Prof. José Luís de Matos e o P. Henrique Noronha Galvão.

Etiquetas:

2 Comments:

Anonymous Anónimo disse...

"a crise que ataca muitos lares e tem levado a um considerável corte nas despesas"

Talvez. Mas recentemente, em conversa com a minha dentista, ela dizia-me que esta época é má para os dentistas: as pessoas gastam todo o dinheiro disponível em compras de Natal e adiam a ida ao dentista, pelo que nesta época os dentistas têm falta de clientela.

Fico espantado e estarrecido com a atitude de pessoas que preferem gastar o seu dinheiro em compras de Natal a gastá-lo com a sua saúde.

Luís Lavoura

4:55 da tarde  
Blogger Ana Cláudia Vicente disse...

Luís,

parece-me que todas as pessoas que não têm grande margem de manobra monetária necessitam (por vezes, em diferentes momentos do ano) de fazer esse tipo de opções: em Setembro, com os livros e material escolar; nas períodos de férias; na altura de pagar impostos; numa situação extraordinária (acidente, pequeno roubo,compra extraordinária de utensílio doméstico, etc. ). Se muita gente dá valor à oferta de uma lembrança de Natal aos mais próximos enquanto expressão de afecto e agradecimento, de comunhão do que tem, isso não me parece nada fora do razoável. O que me parece absurdo é a prenda por obrigação social, ou a prenda de grande valor monetário como afirmação de determinado estatuto, a prenda superior ao que se ganha e tem; isso é do domínio do disparate, claro.

11:30 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home