sexta-feira, outubro 13, 2006

Uma Enorme Dor de Corno!

O dr. Mário Soares contínua a achar que Cavaco Silva é “economista” e que lhe deu um bigode nas últimas eleições presidenciais por durante décadas ter exercido tão honrada profissão (absurdo dos absurdos, na notícia da TSF Soares recorre a vocabulário de “economista” para desancar a “Presidência da República”). Deviam continuar a explicar-lhe que Cavaco Silva é presidente da República por uma razão muito simples: politicamente, e nos últimos 20 anos, demonstrou ser muito melhor do que Mário Soares. Também lhe deviam confirmar que, no Palácio de Belém, Cavaco Silva está a ser “político” – de que se pode ou não gostar – e não “economista”. Resumindo, e em bom português, aquilo que pode ser dito é que Cavaco Silva provoca em Mário Soares uma agudíssima dor de corno.
Também gostei da diatribe contra o corporativismo que Cavaco aparentemente protege mas Sócrates não. Só não me consigo lembrar é de um único momento da sua larga biografia política em que Soares tenha sido anti-corporações. Não só nunca as combateu como sempre lhes deu guarida (Cavaco Silva primeiro-ministro que o diga). Aliás, nunca poderia ter sido de outro modo. Soares é seguramente o português que sempre mais privilegiou a negociata e a conspirata como instrumento de acção política. Negociar é preciso sempre foi uma das máximas de Soares: com Salazar ou com Marcello Caetano, com os comunistas, com Cavaco Silva, com a esquerda, com Paulo Portas, com a direita – pois claro –, com radicais islâmicos, com a ETA. Negociar, negociar. Para Soares ser político sempre foi ser um grande negociante. Quem negoceia dificilmente combate o “corporativismo”. Excepto, claro, se as corporações forem tontas. Mas nesse caso ou nunca o foram ou já deixaram de o ser há algum tempo.
P.S.: Vou até à Galiza. Volto para a semana.

6 Comments:

Blogger Rui Castro disse...

Atenção, Soares não falou em corporativismos mas sim em corporatismos.

11:18 da manhã  
Blogger Fernando Martins disse...

Entendo os termos como sinónimos. E é bem possível que Soares tenha pronunciado mal a palavra.

1:12 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

"Vou até à Galiza"

Não fará cá falta.

Luís Lavoura

3:18 da tarde  
Blogger Fernando Martins disse...

O sr. Luís Lavoura, salazaristicamente, quer exilar-me. Não lhe darei esse prazer.

5:44 da tarde  
Blogger João Pedro disse...

O post é bastante injusto com Soares e com o que ele disse. E dor de corno é coisa que ele não tem muito.

11:50 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Além disso, o que o troca-tintas do Soares tinha garantido que acontecia era que ao fim de seis meses em Belém o Cavaco andava às turras com o governo, a querer ele próprio governar e a implantar o seu projecto de poder.

5:40 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home