quarta-feira, abril 19, 2006

Golpe de Estado nos EUA


É o tema da Harper's de Abril. Tema mais apropriado, impossível. A revista reune alguns dos maiores especialistas em estratégia e história militar para discutirem a possibilidade de um golpe militar nos EUA: Andrew Bacevitch, que acabou de publicar um livro muito comentado sobre a militarização dos EUA, ou Edward Luttwak, autor de uma obra clássica para quem estuda golpes de Estado - Coup d’État : A Practical Handbook. Esta entrevista colectiva é um bom exemplo de como exercícios hipotéticos, como a história virtual ou contra-factual pode ser bem interessante no reflectir sobre a realidade passada e presente.

O tema é tão apropriado porquê? Porque as razões que os autores aduzem para justificar nunca ter existido um golpe de Estado nos EUA podem ser lidas a contrario como uma explicação de porque é que houve golpes militares em países como Portugal em 1974.

E porque se fica a perceber melhor o sentido (e os limites) da crise actual nas relações entre civis e militares nos States, dos ataques dos generais contra Rumsfeld. Como Bacevitch várias vezes diz: os militares americanos não precisam de fazer golpes porque aprenderam a utilizar a imprensa e a política para fazer pressão para obterem o que pretendem sem recorrer a esse custoso, arriscado, antiquado e afrancesado mecanismo do coup d'État - algo tão estranho aos costumes anglo-saxónicos que tiveram de recorrer a um estrangeirismo para lhe dar nome. (Duvidoso é, note-se, que este tipo de tácticas tenha grande sucesso, pelo menos imediato, com Bush). Há isso, e há facto, claro, de que os EUA são uma democracia consolidada e têm um exército altamente profissional.
(Uma versão alternativa sobre a ausência de golpes nos EUA - anti-americanista, certo, mas com piada, e significativa pela sua aparente popularidade na América Latina - é representada por uma piada que ouvi, quer a brasileiros, quer a peruanos: Porque é que nunca haverá um golpe de Estado em Washington? Porque em Washington não existe uma embaixada americana!)

Luttwak, o paleo-conservador ultra-céptico, no entanto, e pensando na possibilidade de vários ataques terroristas sérios, não deixa de perguntar: quantos desastres seriam necessários para tornar alguma forma de tomada de poder pelos militares conceptível, ou até algo visto pela maioria dos americanos como inevitável, e portanto popular? Afinal, argumenta, mesmo um grupo de amigos a acampar em alegres férias, ao fim de uns quantos desastres sérios e imprevistos pode transformar-se num bando de canibais!

Em suma, a não perder, mas não é para pessoas facilmente impressionáveis.

PS - Como extra ainda têm uma crítica de Saramago: o Ensaio sobre a Cegueira e a sua “implacable politics”.

4 Comments:

Blogger quarentaom disse...

APELO em divulgação na internet:

ÚTEROS ARTIFICIAIS: Uma Investigação Cientifica Prioritária


[ em ANEXO está explicado a origem do TABÚ-SEXO ]


As Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas têm de Assumir a sua História!!!!!!

As Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas têm de Assumir que a SOBREVIVÊNCIA não caiu do céu!!!
As Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas têm de Assumir que a SOBREVIVÊNCIA só foi possível graças a um Largo Trabalho Sociológico...... nomeadamente, uma Boa Gestão dos Recursos Humanos...... nomeadamente, o facto de elas terem conseguido MOTIVAR os machos sexualmente mais fracos no sentido de eles se interessarem pela SOBREVIVÊNCIA da SUA Identidade!!!
Dito de outra forma, agora que possuem as 'costas quentes' - graças à existência de Armas de Alta Tecnologia - as Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas não podem... pura e simplesmente... deitar os machos sexualmente mais fracos... para o 'caixote do lixo' da sociedade!!!!!!......


Como seria de esperar, o FIM do Tabú-Sexo está a provocar o Declínio Acelerado de muitos Povos Tradicionalmente Monogâmicos...
Com o FIM do Tabú-Sexo veio a acontecer aquilo que seria exactamente de esperar: a percentagem de MACHOS SEM FILHOS disparou... e... exactamente como seria de esperar... os machos de maior sucesso passaram a ter filhos de sucessivos casamentos...


Com o fim do Tabú-Sexo também vieram a suceder os seguintes fenómenos:
-1- a proibição da Poligamia passou a ser uma coisa que JÁ NÃO FAZ SENTIDO; de facto, basta observar o seguinte: muitas fêmeas das Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas passaram a procurar machos de melhor qualidade... oriundos de Sociedades Tradicionalmente Poligâmicas...
[ Nota: Nas Sociedades Tradicionalmente Poligâmicas apenas os machos mais fortes é que têm filhos... ou seja... estas Sociedades procuram seleccionar e apurar a qualidade dos seus machos... ]
-2- muitos machos das Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas passaram a ir à procura de fêmeas Economicamente Fragilizadas... oriundas de outras Sociedades...
[ Nota: Aqueles machos ( dotados de Boa Saúde... ) que não estão interessados em seguir este caminho..., devem possuir o LEGÍTIMO Direito de ter acesso a Úteros Artificiais ]


Mais, a Prostituição deve ser uma actividade rigorosamente controlada pelo Estado... de forma a que:
-1- seja concedido às profissionais do sexo todas as condições consideradas necessárias...
-2- os lucros obtidos com a exploração da 'Prostituição de Luxo'... possam comparticipar uma 'Prostituição a Custos Controlados'... mais barata ( para os Machos Sexualmente Mais Fracos - rejeitados pelas Fêmeas ) ... e sem 'beliscar' a dignidade das profissionais do sexo.



***************************************



ANEXO: A origem do TABÚ-SEXO

--- Nos tempos mais antigos... as mulheres teriam possuído toda a Liberdade e Independência.

--- Depois, mais tarde, pela necessidade de luta pela sobrevivência... ou ... pela ambição de ocupar e dominar novos territórios... alguém fez uma descoberta extraordinária: --> A REPRESSÃO DOS DIREITOS DAS MULHERES!
--- A Repressão dos Direitos das Mulheres tinha como objectivo tratar as mulheres como uns meros 'úteros ambulantes'... para que... as sociedades ficassem dotadas duma VANTAGEM COMPETITIVA DEMOGRÁFICA!!!!!!
--- De facto, quando as guerras eram lutas 'corpo-a-corpo' o factor numérico ( número de combatentes disponíveis ) era de uma importância decisiva... visto que...esse factor era ( frequentemente ) determinante na decisão das Batalhas e das Guerras...

--- Depois, pela necessidade de luta pela sobrevivência... ou ... pela ambição de ocupar e dominar novos territórios... alguém fez uma nova descoberta extraordinária: --> O TABÚ-SEXO!
--- O Tabú-Sexo tinha como objectivo proporcionar uma melhor rentabilização dos Recursos Humanos da Sociedade!?!?!?!...
--- De facto, o Ser Humano não é nenhum Extraterrestre: tal como acontece com muitos outros animais mamíferos, duma maneira geral, as fêmeas humanas são 'particularmente sensíveis' para com os machos mais fortes...
--- Analisando o Tabú-Sexo:
- a sociedade dificultava o acesso das mulheres à independência económica;
- as mulheres que não casassem eram alvo de crítica social...
[ portanto... como é óbvio... as mulheres eram 'pressionadas' no sentido do Casamento ]
- não devia haver sexo antes do Casamento;
- as mulheres não deviam procurar obter prazer no sexo;
- as mulheres que se sentissem sexualmente insatisfeitas, não podiam falar nesse assunto a ninguém, pois o desempenho sexual dos machos não podia ser questionado;
- era proibido o divórcio;...
...........torna-se óbvio que o Verdadeiro Objectivo do Tabú-Sexo eram montar uma autêntica armadilha às fêmeas... de forma a que... estas fossem conduzidas a aceitar os machos sexualmente mais fracos!!!
--- Dito de outra forma, o VERDADEIRO OBJECTIVO do Tabú-Sexo era proceder à integração social dos machos mais fracos!!!

--- Nota: Quando as guerras eram lutas ' corpo-a-corpo', para além do factor numérico ser de de muita importância... frequentemente... o que decidia as guerras era a MOTIVAÇÃO com que os combatentes ( os homens ) lutavam...
--- Concluindo, ao permitir que fosse realizada uma Boa Gestão dos Recursos Humanos da Sociedade... o Tabú-Sexo fez com que... as sociedades ficassem dotadas duma VANTAGEM COMPETITIVA!!!...

MAIS:
--- Quando as batalhas eram lutas corpo-a-corpo... essas batalhas seriam autênticas carnificinas... portanto... era necessário uma grande disciplina... para não existirem homens cada um a fugir para o seu lado...
--- Ora, os responsáveis militares, da altura, não andavam a dormir... e sabiam que para se construir um exército disciplinado era necessário realizar previamente um Largo Trabalho Sociológico de Longo Prazo... no sentido de formar 'Homens Rudes'...; portanto, não é de admirar que tenham surgido na sociedade ' frases-feitas ' do tipo:
- " um homem nunca chora ";
- " não és homem não és nada se... ";
- " a tropa foi feita para os homens ";
- etc...

Que eu me lembre... eis três casos curiosos:
-1- as mulheres tinham de ficar em casa a cuidar dos filhos ( ou seja, era necessário assegurar a Capacidade de Renovação Demográfica...) , caso contrário, o inimigo impunha uma Guerra de Desgaste Demográfico... e ao fim de uma geração ( sem Renovação Demográfica do ‘outro lado’... )... ganhava a guerra 'com uma perna às costas'.
-2- as viúvas não podiam voltar a casar... pois... não era nada benéfico para a moral dos combatentes... eles pensarem que... se eles viessem a morrer no campo de batalha... depois a mulher ia 'curtir' com outro...
-3- existia uma forte repressão sobre os homossexuais... visto que ... a Sociedade necessitava de 'Homens Rudes' para combater nas batalhas ( autênticas carnificinas de lutas corpo-a-corpo... ).
[ Uma Obs. : Uma ineficiente capacidade de formação de 'Homens Rudes'... fez com que... muitas Sociedades não tivessem conseguido sobreviver até ao SÉC. XX ... ]



P.S.
É preciso desmascarar esta SOCIEDADE HIPÓCRITA que pretende que sejam classificados como 'PRECONCEITOS'... determinados comportamentos... que foram ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIOS para a sua SOBREVIVÊNCIA!!!......

7:41 da tarde  
Blogger sabine disse...

Caro Bruno: Não há romances a-politicos. Quem lhe disser que há mente.

7:48 da tarde  
Anonymous Cristina Ribeiro disse...

Bruno,não é este post que vou comentar,até porque,confesso,ainda não o li.Quero louvar o seu trabalho desmistificador relativamente ao massacre de Judeus,que teve lugar em Lisboa há 500 anos.Não é verdade que a"historiografia oficial"tenha escamoteado o terrível acontecimento,pelo menos toda-senão,como explicar que,já desde o liceu,o deplore?

1:37 da tarde  
Blogger bruno cardoso reis disse...

Cara Sabine, que todos as obras de arte podem ter uma leitura política - mesmo aquelas de autoria deliberadamente a-política - não tenho dúvida.

E, como poderá verificar em vários postes neste estabelecimento, não subscrevo a ideia simplista de que arte e política sejam incompatíveis.

Que Saramago é muito político nas suas obras, é. Daí vem alguma da sua força e também alguma da sua fraqueza. Mas nem eu, nem a tal crítica, usamos a ideia de ser político para o "despachar" como escritor! Admito que podia parecer pela breve nota, mas olhe que não, olhe que não.

Cara Cristina, obrigado.

5:36 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home