terça-feira, outubro 16, 2007

Guerra Colonial/Guerras de África/Guerras de Libertação/Guerras de Descolonização - os "Jovens" e a História


Ultimamente a TV Pública anda muito preocupada com os jovens. Anda muito preocupada com a nossa educação, com o nosso conhecimento da história pátria. (E convidam, apropriadamente, o pessoal das tunas para ilustrar esses flagelos na juventude).

Tendo em conta o que foi dito no Prós e Contras - sempre muito interessante, infelizmente nem sempre pelas melhores razões - parece que há uns mais velhos a precisar de ler uns quantos historiadores (mais ou menos "jovens").

Aliás, o mais curioso foi que boa parte do programa foi ocupado a discutir coisas sobre as Guerras da Descolonização Portuguesa que estes veteranos não sabiam por as terem testemunhado, mas sim por as terem lido em qualquer lado ou ouvido a alguém. Alguns até diziam, mas olhe que eu não sou historiador!
Podemos ficar descansados, no entanto, parece que a história no futuro irá pegar nisto... (E eu a pensar que, embora lentamente de início, já se faz cada vez mais história das guerras da descolonização há mais de uma década!)

Deixo só uns exemplos de coisas que escaparam... A ideia de que Salazar não sabia que ia haver guerras de guerrilha nas colónias portuguesas é completamente falsa: ele começou documentadamente a preocupar-se e a preparar-se para isso desde 1957. O exército português começou a combater em Angola 1961 mais preparado (ou pelo menos prevenido) para a guerra de guerrilha do que o exército britânico na Malásia ou no Quénia, para não falar do exército francês na Indochina e na Argélia. (Sendo que todos os exércitos convencionais têm muitas dificuldades em adaptar-se a este tipo de combate não-convencional). Aliás quase sempre que se compara a descolonização ou a guerras com outros países sai asneira. A ideia de que Portugal vivia das colónias em 1974 ou em 1960 é mais um completo mito. O peso económico das colónias sempre foi marginal na economia portuguesa; ao contrário do das importações e exportações para a Europa Ocidental, que sempre foi central, como todas as estatísticas mostram.

Claro que os testemunhos têm muito interesse. E é com interesse que vou seguir a nova série de Joaquim Furtado que irá começar amanhã. Mas será pedir muito à RTP, que tanto diz que se preocupa com a história (e com os jovens), cuidar de ter pelo menos um historiador nestes programas? E nem precisava de ser jovem.

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger Ana Cláudia Vicente disse...

Nem mais, nem menos, Bruno. É impressionante como se faz um programa cheio de gente (o que só por si, é meio-caminho para se não conseguir discutir em condições) e só há testemunho, não há perspectiva. Muita citação avulsa, não-identificada, muita emoção, muita necessidade de (re)afirmação. Um parlatório, não um debate.

1:07 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home