sábado, setembro 08, 2007

Debates transgénicos

Regressado de férias, aproveitei uma pausa numa rentrée pesada para me pôr a par de muitos textos publicados sobre o «caso» do milho transgénico. Miguel Portas, cujas reacções imediatas contribuíram para o clamor em volta da história, escreveu um texto mais ponderado aqui. O post só indica que passou ao lado do essencial. A direita cumpriu o seu papel ao defender o direito de propriedade. A esquerda não percebeu que nesta história não se encontrava em causa apenas o direito de propriedade, mas também o direito do trabalho. O slogan da esquerda não era «a terra a quem a trabalha?». Neste caso, quem é que trabalha a terra – José de Menezes ou Gualter Baptista? Se uma cooperativa decidisse, em assembleia, cultivar milho transgénico o problema não era exactamente o mesmo? Se um grupo de «ambientalistas» atacasse uma cooperativa que cultivasse milho transgénico para quem é que iam as «simpatias» de Miguel Portas?
O Bloco de Esquerda vive o grande equívoco de imaginar que a causa ecológica é necessariamente anti-capitalista. Basta um nome – Tchernobyl – para perceber que não é assim. O que é que impede uma empresa privada de se dedicar à agricultura biológica e de ter como segmento de mercado os mais ricos? O que é que impede um Estado como o da Coreia do Norte de, se tiver capacidade tecnológica, produzir alimentos transgénicos?
No remate do seu post, Miguel Portas pergunta - «Transgénicos fora ou dentro do prato?». A minha resposta é a seguinte: se a ciência tem a certeza de que são prejudiciais à saúde, a lei deve manter os transgénicos fora do prato. Perante a dúvida científica, cabe ao consumidor escolher. A minha inclinação é para rejeitar alimentos transgénicos. O que posso exigir é que os alimentos transgénicos sejam identificados de modo a permitir a escolha, não apoiar a destruição de plantações. Até porque o produto das plantações transgénicas não vai necessariamente parar ao prato. Em Silves, não se cultivava milho transgénico destinado ao prato, mas a rações, ou seja, a manjedouras ou pocilgas.
A alimentação é apenas um aspecto das plantações transgénicas. Estas podem ter outro tipo de utilização, como a produção de biocombustível. E este ângulo da questão não tem sido abordado. Em causa está também a produção de energia renovável, que diminua a poluição da atmosfera, os custos de produção e a dependência face aos países produtores de petróleo. O movimento Verde Eufémia pode ser o mal de que pretende ser a cura.
Imagem retirada daqui.

Etiquetas: ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home