quinta-feira, maio 31, 2007

Perguntas aos Inimigos Devotados da Ota

É ou não é verdade que a maioria da população portuguesa que usa o Aeroporto de Lisboa vive a norte do Tejo?

É ou não é verdade que um aeroporto a sul do Tejo irá implicar a construção de mais pontes sobre o dito rio, com a agravante de serem um evidente ponto potencial de estrangulamento adicional no fluxo de passageiros?

Um aeroporto a sul do Tejo e essas novas pontes irão ter que impacto ambiental, nomeadamente no parque do Estuário do Tejo?

Tendo em conta esse impacto ambiental a UE irá apoiar essas novas soluções?

Se o aeroporto for construído noutro sítio não haverá especulação imobiliária, nem desvios orçamentais, nem limites à sua expansão? E como é que se garante isso num lado e não no outro?

É ou não verdade que quanto mais anos passarem sem novo aeroporto, menos competitivo será Portugal como escala entre o resto da Europa e o Brasil ou África?

Por fim, em que estudos técnicos é que assentam as escolhas alternativas? E no que é que são melhores do que os estudos técnicos que apontam para a Ota?

Por outras palavras se se vai adiar a decisão e gastar mais uma maquia significativa em novos estudos é essencial saber para quê? Ou seja, que critérios técnicos é que satisfarão a Oposição?

PS – Quem pergunta é um viajante frequente que preferia que o aeroporto continuasse na Portela por muitos e bons anos, mas parece que quanto a isso ser impossível há consenso dos especialistas.

Etiquetas:

5 Comments:

Anonymous nanda disse...

Partilho inteiramente as suas interrogações/afirmações.
De salientar que para além de servir Lisboa, o novo aeroporto terá que servir o país. E serve o país a norte, não a sul. Quanto mais central geograficamente melhor responderá às necessidades dos futuros utentes.
Paralelamente, só um grande e moderno aeroporto servirá a TAP. Com o crescimento das low-costs, que apostam no tráfego ponto a ponto, a TAP só terá futuro se continuar a apostar na ideia de hub. Isto é, transportar passageiros, carga e correio, da Europa para Àfrica e Brasil e vice-versa.
Delaração de (des) interesses. Trabalho no aeroporto da Portela e moro na Portela.

1:41 da manhã  
Blogger Igor disse...

Bom, mas onde andam os milhentos estudos que defendem a Ota e referidos insistentemente por Mário Lino?

1:38 da tarde  
Anonymous allall disse...

-Passageiros são os que partem e os que chegam, sendo os que portugueses neste caso uma minoria dos futuros utilizadores do novo aeroporto.
-Estrangulamento potencial?
Ah sim...porque a norte o estrangulamento já existe sim e por mais alternativas que venham a criar o que vai fazer é apenas estragular mais.
-Impacte ambiental não há em construçao em leito de cheia? Mais a montanha que vem a baixo mais os milhares de sobreiros? mais os acessos e vias de transporte que vao ter de ser construidas?
Não me digam que para aqueles lados tb é um deserto como na margem sul.
-É claro que haverá especulaçao imobiliaria com já há na OTA e isso só os pode por em situaçao de igualdade, assim como os possiveis desvios orçamentais que já esta a ssumir para a OTA.
-Não há estudos tecnicos comparativos entre duas ou mais localizações porque pura e simplesmente os sucessivos governos decidiram a localizaçao antes deles e por isso incidiram o maior numero de estudos apenas e tão só sobre uma localização e.... agora ainda atiram á cara que quem for contra gaste os milhoes que eles gastaram para fazer os estudos para apenas um caso.

11:50 da manhã  
Blogger mch disse...

A ignorância profunda reflectida nestas perguntas vai a par com a mania de opinionite tão ao gosto da pequena burguesia, dissecada por Flaubert. O caro amigo devia ao menos ler os estudos do NAER (insuspeita) on line e verificar que a Ota foi sempre uma segunda ou terceira escolha nos relatórios oficiais. O leia o Erro da Ota e ficará a saber um pouco mais.
Não leve a mal se estou a ser duro;é política de interesse nacional; a indiferença é que seria criminosa não as suas opiniões erradas

6:10 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Se faço perguntas é porque tenho dúvidas. Portanto se há aqui arrogância não é da minha parte.

Quanto ao estudo da NAER, que não conheço, devo concluir que na sua opinão devem ser os critérios da navegação aérea os únicos a ser tidos em conta?

Como eu deixo claro, não sou propriamente a favor da Ota, apenas vejo demasiados argumentos de oposição a essa opção terem tempo de antena sem serem devidamente questionados.

Bruno C Reis

7:35 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home