terça-feira, outubro 24, 2006

A Chuva

O que nasceu da fértil cinza não sustém dias assim, de uma água que cai para fazer a mais pequena barroca subir mar a monte. Que diriam os antigos que usavam esse português partido em dias de maior caudal, se vissem paredes esbarrondadas, restos de restos de árvores finalmente tombados, colinas em derrocada, e este vento, um vento que sova sem dó o que ainda há?
[Foto: C. M. Proença-a-Nova]

3 Comments:

Anonymous Anónimo disse...

Vénia, Senhora, todas as vénias.

9:27 da tarde  
Blogger Pedro Picoito disse...

Belo post. Pulcro, diria mesmo.

4:17 da tarde  
Blogger Ana Cláudia Vicente disse...

Pedro Picoito, um obrigada com uma magnólia no lugar da flor de esteva, que o Inverno parece estar para durar.

Anónimo, uma camélia como penhor de mais e melhores dias.

8:43 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home