domingo, janeiro 29, 2006

Redes ou Cliques, Amigos ou Inimigos


O Esplanar e o Abrupto resolveram falar da influência das cliques na cultura. É um tema useiro na sociologia e na história da cultura. E é verdade que, para não ir mais longe, nos blogues há redes de citação mútua que são fundamentais para captar leitores. É difícil ver como evitar isso. Seria bom que prevalecesse uma cultura de debate que favorecesse a diversidade de pontos de vistas, e não previsíveis alinhamentos ideológicos ou pessoais. Mas na grande rede que é a internet, redes vão existir sempre.

E confesso que fico um pouco espantado ao ver José Pacheco Pereira dar lições de bom comportamento intelectual. Ele costuma ser mais reticentes nestas questões de moralismos. E não pode ser considerado exactamente acima de crítica. Aliás, no seu mais recente poste sobre esta questão, JPP parece estar a comentar este texto do Pedro Mexia que não cita (e não sou o único a pensar que isso é assim, e não é a primeira vez).

Ao texto do João Pedro George sobre as cliques na cultura, que deu origem a tudo isto, diria que redes de um tipo ou de outro existem em todo o lado. Quando gostamos delas são cumplicidades ou correntes. Quando não, são cliques. É provável, no entanto, que tenham um peso maior ou mais negativo em países pequenos e com poucos recursos (como sublinha Pacheco Pereira).

Parece-me, no entanto, complicado pegar na questão pelo lado dos conhecimentos pessoais. Para mim, o verdadeiro problema não é existirem redes de conhecimentos nos jornais, nas revistas, na internet. Mas sim saber se funcionam de acordo com uma estreita mentalidade amiguista; ou, o que é talvez mais aceitável, mas igualmente empobrecedor, de uma canina fidelidade ideológica. É a prevalência da cultura do tempo de antena. Em que é boa prática (ensinada aos mais novos) brilhar pelo apagamento dos outros. Em que frequentemente a forma mais gabada de «ganhar uma discussão» é ignorar a outra parte. Em suma, é a ausência duma verdadeira cultura de debate.

Eduardo Pitta diz que é normal haver um quadro de comentadores ou recenseadores residentes. É por isso que se lê um jornal. Tem alguma razão. Mas também é normal convidar regularmente gente de fora – com algum conhecimento ou interesse na área relevante – a recensear ou comentar um assunto. Acho que não se perdia nada no combate a estas lógicas em ir mais por aí.

Porque é certo que é preferível ser um desconhecido (do autor) a recensear um livro, e não um amigo (corre-se sério risco de se perder a amizade ou a recensão). Mas muitas vezes, sobretudo num país pequeno, os conhecimentos são inevitáveis. E o problema não se coloca só com os amigos, mas também com os inimigos. Será que devemos, por exemplo, desqualificar o texto do João Pedro George sobre as memórias de Filomena Mónica, só porque ele deixa claro que não gosta da pessoa?

O essencial para mim é a valia dos argumentos. E também algo que em inglês tem direito a expressão própria: full disclosure, a honestidade quanto à amizade (ou inimizade) do recenseador. Aqui estou completamente de acordo com Pacheco Pereira e (creio) com o João Pedro George. O leitor julgará com conhecimento de causa. Parece-me mais complicado do ponto de vista prático, e questionável como tese, ter como intelectual ideal o tipo(a) encerrado numa torre de marfim.
ADENDA: Amigos e conhecidos

João Pedro George volta ao tema em vários textos interessantes. Neste quase parece estar a responder ao que aqui escrevemos. E tem toda a razão que há uma distinção importante entre amigos e conhecidos (eventualmente por quem se tem simpatia, não raras vezes nascida da admiração pelo respectivo trabalho). Uma distinção que eu não tinha feito. Uma distinção que ele também não tinha feito.
E é importante informar o leitor (das amizades, que não dos conhecimentos). Não é impossível um grande amigo escrever uma grande crítica a um texto de um grande amigo. Só é muito difícil. E é bem possível que seja visto como desonesto se a amizade não for denunciada. É provavelmente preferível, concordo, deixar isso para prefácios, blogues ou apresentações. Por outro lado, em recensões mais académicas (admito que é um campo específico) por vezes os reais especialistas num tema são tão poucos que todos se gostam ou desgostam. Só restam mesmo as razões (quando as há).
Afonso Bivar anota soltamente sobre a questão com linques adicionais. E dá um exemplo de transparência ao dizer que com ele nunca podemos contar com declarações de interesse. Respeito a objecção de consciência. Reconheço a dificuldade prática (quanto aos conhecidos, menos quanto aos amigos). Detecto talvez uma objecção de estilo: é coisa chata. Mas olhe que não, como tudo, pode ser feita com interesse ou sem ele.
O José Mário Silva responde aqui. E ainda mais demoradamente aqui. Não tenho razões para questionar as explicações que dá. A mim pareceram-me dispensáveis, desde o início o deixei claro, os processos de intenção (viessem de onde vierem). A mesma razão – o facto de não existirem regras claras em Portugal ou uma tradição de transparência sobre a crítica de proximidade – que me levou a considerar que a discussão em termos mais genéricos era pertinente (desde logo para meu governo), também me leva a considerar evidentemente injusto qualquer tentativa de fazer do José Mário Silva um bode-espiatório.

6 Comments:

Anonymous Anónimo disse...

ligações perigosas.

escritores.weblog.com.pt

6:56 da tarde  
Anonymous Eu disse...

As polémicas, para mim, são mijas sucessivas de vários cães na mesma erva. Para marcar territórios. É giro. Faz bem aos cães. A erva detesta brincadeira, mas sobrevive. A natureza é a arte. Adeus.

9:49 da tarde  
Blogger Luís Aguiar Santos disse...

Excelente, Bruno. É por estas e por outras que me sinto cada vez melhor aqui e muito desajustado noutros sítios...

1:52 da tarde  
Blogger NUNO FERREIRA disse...

O João Pedro Jorge tem a virtude ou teve a virtude mandar uma pedra para um lago de águas demasiado paradas. Só por isso, está de parabéns

6:27 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Realmente, o João Pedro George, pseudo-critico, é da maior merda que há no País. Precisa colar-se aos autores famosos para se fazer notar, mas não se apercebe da podridão que essa atitude representa. Nem quero imaginar o que é que os alunos dele aprendem nas aulas: a venerar o professor por se achar o maior? É assim que ele estimula o seu ego gigante?
Pobre de espírito, é o que é.

7:16 da tarde  
Blogger 日月神教-任我行 disse...

走光,色遊戲,情色自拍,kk俱樂部,好玩遊戲,免費遊戲,貼圖區,好玩遊戲區,中部人聊天室,情色視訊聊天室,聊天室ut,成人遊戲,免費成人影片,成人光碟,情色遊戲,情色a片,情色網,性愛自拍,美女寫真,亂倫,戀愛ING,免費視訊聊天,視訊聊天,成人短片,美女交友,美女遊戲,18禁,三級片,自拍,後宮電影院,85cc,免費影片,線上遊戲,色情遊戲,日本a片,美女,成人圖片區,avdvd,色情遊戲,情色貼圖,女優,偷拍,情色視訊,愛情小說,85cc成人片,成人貼圖站,成人論壇,080聊天室,080苗栗人聊天室,免費a片,視訊美女,視訊做愛,免費視訊,伊莉討論區,sogo論壇,台灣論壇,plus論壇,維克斯論壇,聊天室

4:08 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home