segunda-feira, maio 08, 2006

Infiltrado

O último filme de Spike Lee parece começar onde a 25.ª Hora podia acabar. Há uma personagem-narrador que confessa, olhos na câmara, a prática de um crime. Num passado recente assaltou um banco e no presente os seus movimentos encontram-se limitados por um cubículo. É o ponto de partida para uma narrativa onde se cruzam as referências do policial e do sub-género «assalto a banco». Culpa, traição, lealdade, amizade e amor voltam a ser focados ou apenas aflorados. Porém, a perspectiva dramática da 25.ª Hora cede lugar à cómica, na linha de She Hate Me, embora num tom mais contido.
Spike Lee é o verdadeiro «infiltrado» neste filme de entretenimento que visa as cumplicidades entre o poder do Estado e o mundo financeiro. O racismo é outro dos alvos, sendo filmado por alguém que já não se pode ver apenas como um porta-voz da comunidade afro-americana, antes assume a sua condição de realizador do mundo e cidadão de Nova Iorque. Em tempos de dominação neo-conservadora nos Estados Unidos, Spike Lee atira-se ao género mais conservador de um ponto de vista ideológico: o policial. A suprema ironia é que não tenta negar a divisão entre «bons» e «maus» ou a satisfação das necessidades morais do leitor com a afirmação de uma «justiça poética» no final. Todos estes requisitos se cumprem mas, exactamente, por isso, subvertem a convencional relação detective-gangster; fazem dos negros agentes da ordem e transformam as sexy women, que nos filmes clássicos só poderiam ser mulheres fatais, em cúmplices de prazer.
PS Por sexy women entendo a Kim Director e a Cassandra Freeman.

1 Comments:

Blogger Luís Aguiar Santos disse...

Não consegui levar a minha reflexão "filosófica" sobre o filme mais longe do que o adágio "ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão". Mais a sério: trata-se de uma revisitação interessante do conceito de "crime perfeito". Tecnicamente, a saída dos assaltantes com os sequestrados é tecnicamente perfeita; tal como a escolha do alvo ter recaído sobre um banqueiro moralmente impossibilitado de denunciar o roubo, o que o tornou (ao roubo) um pequeno golpe de génio...

11:57 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home