segunda-feira, julho 14, 2008

Fascismo Sempre Mais?

Creio que eu e o Carlos, assim como outros intervenientes no debate, estamos de acordo no essencial: vale a pena continuar a debater o eventual Fascismo de Salazar. O ponto essencial para mim é que não creio que isso se consiga se o debate for dominado por acusações de branqueamento do fascismo.
Mas serve sobretudo este poste para chamar a atenção para um texto bem interessante de um historiador que muito admiro, Richard J. Evans que começa assim:

Um passagem que ilustra bem, no concreto, as diferenças entre o totalitarismo activo do Terceiro Reich e o Portugal de Salazar.


Serve ainda o presente poste para lembrar que nem todas as fontes e nem todos os actores têm o mesmo peso. O Conde de Tovar podia pensar e escrever (mal) que o regime salazarista e nazi tinham tudo em comum. Mas é certamente bem mais importante saber o que pensava e dizia Salazar, inclusive em discursos públicos, como este, em Setembro de 1939, sobre a «A Europa e a Guerra», em que define a política externa portuguesa no início do conflito. Nele fica claro o que Salazar pensa sobre alinhamentos ideológicos em política externa:

algumas pessoas as preocupa, sobretudo, saber as consequências que da guerra advirão para as democracias ou para os regimes de autoridade, e por aí determinam os seus íntimos desejos. […] foi bem dura a experiência de se complicarem os problemas da vida internacional com a formação de blocos ideológicos e com prevenções acerca dos regimes internos dos Estados, e seria desesperar da salvação reincidirem no erro os mesmo que lhe sofreram os efeitos e penosamente se estão a curar deles. «A Europa e a Guerra», Discurso Salazar na AN (9.10.1939)

Claro que tudo isto se pode e deve debater e rever até na medida em que haja novos documentos e novos argumentos de peso, mas o do branqueamento não está certamente entre eles.

4 Comments:

Blogger CLeone disse...

Bom, quanto ao «Fascismo de Salazar», claro que ele não era fascista. O regime Estado Novo é que foi Fascista (adaptado à realidade portuguesa). Claro que não foi tão totalitário como a Alemanha de Hitler, mas isso ajuda quem teve de se exilar, quem foi torurado, quem foi morto? Aqui também estamos de acordo, claro.

1:39 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Caro Carlos
A questão (do ponto de vista da história) quando se compara ditaduras, e, entre outras coisas e inevitavelmente, graus de repressão, não é, nem pode ser "o que é isso vale às vítimas?" Se o historiador está preocupado com ofender as vítimas de um passado frequentemente sangrento e injusto então não pode fazer história. O cidadão pode fazer as denúncias que entender, sendo que elas serão tanto mais eficazes quanto assentes em factos (daí a história lhe poder ser, afinal, útil).

Salazar não é fascista, mas o seu regime é? Ideia interessante, mas com a qual estou em desacordo. O Estado Novo era um regime de poder pessoal de Salazar. E Salazar queria fazer a convergência dos nacionalistas dispostos a aceitar a sua autoridade, viessem de onde vissem. Era isso que Rolão Preto e os fascistas puristas do movimento Nacional-Sindicalista não aceitavam, evocando o exemplo totalitário de Mussolini e Hitler. Foi por isso que Salazar acabou com os Nacional-Sindicalistas como partido, como aliás como com todos os partidos organizados.

Mas enfim, como dizia em cima, temos aqui pano para mangas...

Bruno C Reis

6:04 da tarde  
Blogger CLeone disse...

temos panos para mangas no teu primeiro parágrafo, sobretudo. O segundo limita-se a não se interessar pelo parêntesis no meu comentário.

6:38 da tarde  
Blogger João Miguel Almeida disse...

De acordo que o debate historiográfico não pode ter tabus.
Mas uma questão subjacente a este mini-debate é saber se a política externa de um regime é suficiente para o caracterizar de um ponto de vista ideológico. Do meu ponto de vista não é. Há interesses geo-estratégicos que se sobrepõem a critérios ideológicos e políticas externas que se mantêm relativamente constantes ao longo de diversos regimes. Mesmo que o Estado Novo tivesse uma simpatia maior pelo nazismo do que aquela que tinha não seria fácil ao regime descartar/desprezar a aliança com a Inglaterra.
Fernando Rosas não pensa que Salazar «torcesse» por uma vitória da Alemanha nazi ou das potências do Eixo em geral e considera que o Estado Novo era um regime fascista, adoptando um conceito genérico de fascismo que não nega as diferenças entre o regime português e o italiano no período entre as duas grandes guerras.
O socialismo democrático português também é muito diferente da social-democracia sueca apesar de pertencerem à mesma família ideológica, etc.

9:21 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home